Moda

Minimalismo na moda

By  | 


As origens do minimalismo na arte e na moda

Arte

O minimalismo, no âmbito da arte, é um movimento artístico e cultural que surgiu nos EUA no início da década de 1960. Os artistas dessa vertente, basicamente se adequam a uma quantidade reduzida de processos, materiais ou mesmo temáticas, simplificando a obra e, às vezes, tornando-a repetitiva. As obras minimalistas, portanto, apresentam entre suas principais características, a elaboração de obras com utilização do mínimo recurso, pouca utilização de cores e destaque para formas geométricas com repetições simétricas.

Minimalismo - arte

Dan Lavin – Lights

O nome já diz muito, é uma arte mínima. Diferente de outros segmentos que tem os adornos como características principais da obra, o minimalismo agrada o gosto contemporâneo justamente por valorizar objetos simples sinônimos de elegância e sofisticação. Além disso, uma de suas ideias era criar uma linguagem universal da arte para que todos fossem capazes de entender.


Moda

Diferente da arte, o minimalismo na moda surgiu no final da década de 1980 e início dos anos 1990. Cansada dos exagerados, punks, góticos, yuppies e outros movimentos carregados de informações visuais, a moda sofre uma grande mudança e traz com força a ideia de “quanto menos informação, mais interessante”.

Minimalismo - moda

Para seguir essa linha de pensamento, as criações consistiam em roupas de aspecto clássico e funcional. O movimento teve início em Paris, com os japoneses que incorporaram a alfaiataria masculina no armário feminino de forma suave e neutra dispensando qualquer tipo de adorno. Alguns dos nomes que tiveram grande destaque na época foram Kenzo e Jil Sander.


O que o minimalismo representa hoje?

Com fortes tendências que caminham para o preto, branco e cinza, formas e silhueta simples, o slow fashion e roupas versáteis, o minimalismo entra em cena mostrando a necessidade da moda e do público de filtrar o que realmente será necessário ao guarda-roupa, eliminando os excessos observados tanto nas características visuais das roupas, quanto na quantidade existente no armário. É a busca pela redução que não se aplica apenas as roupas, mas também a vida, por isso a semelhança com o slow fashion.

O minimalismo é internacional por sua simplicidade na forma e possui atemporalidade predominante pela falta de adorno, elemento que costuma caracterizar período e cultura. Ele é a simplicidade, a elegância, a sofisticação sem esforço, é o retrato da busca daqueles que hoje desejam ter menos, não menos, mas o suficiente.

Acredito que seja uma tendência universal, como a moda e muitos usuários estão buscando a simplicidade, o minimalismo pode estar voltando com tudo e se tornar, não digo um clássico, mas algo com a mesma importância. Afinal, a simplicidade nas cores e na forma, nunca foram vistas como algo ruim ou característica específica de algum período, tornando legítima a sua atemporalidade.


Gostou? Deixe seu comentário!